Você ainda acredita em democracia?
                                  
    
          
                 A idéia deste livro remonta a 1981, quando empreendemos estudo          aprofundado da obra magistral de René Guénon, metafísico contemporâneo e escritor consagrado à Tradição. Tratava-se para nós, intelectualmente, de algo inédito e verdadeiramente revolucionário, no sentido etimológico do termo, isto é, um retorno aos princípios e aos valores permanentes.

                Guénon denunciou a monstruosidade dos tempos modernos, resultado da ruptura com todas as autênticas tradições da humanidade desde suas origens. Por outro lado, resgatou para o Ocidente seus verdadeiros valores, concordantes em essência com as doutrinas orientais.

                A “democracia” é apenas uma ferramenta moderna a serviço do materialismo, da massificação da ignorância e da mediocridade: seus fundamentos não se sustentam, como se verá neste livro. No entanto, a “democracia” tornou-se um verdadeiro tabu. Ninguém pode criticá-la sem logo ser rotulado de “nazista”, seja pela esquerda, seja pelos ditos liberais.

               Embora a obra de Guénon, pela natureza mesma de seus temas e pela qualificação intelectual do autor se dirija necessariamente a uma minoria, uma conspiração de silêncio o cerca há um século. Guénon é um ilustre desconhecido, apesar da importância dos seus livros.

              Nosso objetivo é atingir um público maior, potencialmente capaz de compreender os motivos e os bastidores da farsa “democrática”, desde que tenha em mãos informações e argumentos suficientes e necessários.

              “Você ainda acredita em democracia?” é o resultado, certamente muito imperfeito, deste projeto.  Se, por um lado, os argumentos tradicionais desmascaram impiedosamente a farsa democrática, por outro, resgatam verdadeiros valores da humanidade desde sempre, isto é, a transcendência implicada em todas as autênticas religiões e doutrinas sagradas.

              Não é suficiente, no entanto, nos limitar à denúncia da farsa democrática ou sua  ausência de princípios. É preciso demonstrar, ainda que em linhas gerais, como e quando esta anomalia foi concebida e, finalmente, implementada, o que nos leva a examinar alguns fatos históricos determinantes, entre outros, o surgimento do protestantismo e suas nefastas conseqüências: o materialismo e o combate sem tréguas às verdadeiras religiões e doutrinas tradicionais.

              Em nenhuma outra parte do mundo a idéia “democrática” (e protestante) foi tão longe como nos Estados Unidos, que hoje comanda a “globalização”, na base da força bruta. Mas, afinal, o que é este projeto de hegemonia mundial? É a imposição a todos os países, sem exceção, do ponto de vista predominantemente materialista e anti-religioso próprio da “democracia americana”, sob pena de invasão e ocupação militar aos que se recusarem a submeter-se.

               O leitor, conhecendo causas e objetivos da ideologia democrática, poderá compreender melhor as razões e o significado  do “11 de setembro” , uma conspiração tipicamente norte-americana , destinada a servir de catapulta à guerra frontal às religiões em geral e ao Islã em particular.

              Como já é fato consumado em relação ao Afeganistão e Iraque (Síria e Irã serão os próximos?), o objetivo sionista -americano é a invasão, ocupação e imposição do “regime democrático” (anti-religioso) aos países de forte presença islâmica além, é claro, da apropriação das riquezas naturais de importância estratégica, como o petróleo e a água potável.

             Os recentes eventos políticos internacionais não são episódios isolados ou simples etapas a cumprir em um projeto geopolítico de alcance restrito. Trata-se, como veremos nas páginas que seguem, de algo com alcance incomparavelmente maior, previsto em todas as tradições autênticas: a guerra final do ponto de vista materialista contra todas as religiões e doutrinas (ao fim de contas, contra Deus, como se isto fosse possível), o que representa   nada menos que o fim de um ciclo desta humanidade, com o advento do Anticristo.

                                                                                     
Luiz Pontual
Apresentação
Sooooo
O Instituto
cursos
livros
notícias
Instituto René Guénon de Estudos Tradicionais
Textos de
Luiz Pontual
        

        
Do you still
believe in Democracy?
Você ainda
acredita em democracia?
                
                 
Um dos falsos fundamentos da democracia é o voto, que deveria ser, em princípio, um julgamento coletivo da arte de governar. Ora, ninguém, sinceramente, defenderia a idéia estapafúrdia de que a maioria está qualificada intelectualmente e com conhecimentos suficientes sobre administração e governo para exercer tal julgamento.

              Guardadas as devidas proporções, tal suposição  igualitária equivaleria a afirmar que todos estão capacitados, por exemplo, a opinar sobre uma questão de medicina. Uma situação real, como um atropelamento, ilustra muito bem tal absurdo: em torno da pessoa gravemente ferida, dezenas de curiosos observam, aflitos, o acontecimento.  
              – Qual o critério plausível para determinar os que poderiam ajudar o ferido? Naturalmente, os que ali estivessem qualificados para tal, isto é , médicos ou enfermeiros. Uma votação estaria inteiramente fora de propósito, pois a maioria nunca está qualificada para uma função como a medicina, assim como não está para a administração.

              Se o raciocínio é válido para o destino de um ferido por atropelamento, é evidente que se levarmos em conta o destino de milhões de indivíduos, que é o que ocorre no caso de eleições para governo, constatamos que o procedimento é inteiramente irresponsável.

             O "fundamento democrático", que afirma a superioridade da maioria, ou seja, que uma opinião defendida por maior número de indivíduos é superior a outra, defendida, por exemplo, por uma minoria qualificada para tal opinião, equivale a sustentar que 200 garrafas de vinho vagabundo, só por serem grande quantidade, possuem conteúdo superior a um único copo de vinho de alta qualidade. Ou, então, a afirmar que 1.450 indivíduos, das mais variadas profissões, estariam mais bem qualificados do que um único especialista para resolver uma questão de física quântica.

             Na origem da ilusão democrática está a negação da hierarquia natural, cuja expressão mais clara encontra-se na doutrina hindu de castas,  hierarquia que se estabelece, qualitativamente,  de cima para baixo, isto é, desde o mais elevado - o espiritual - até o menos elevado - o material. Ao contrário, os critérios que baseiam a democracia são de ordem quantitativa e, conseqüentemente, materialistas.    
  
            A negação da superioridade qualitativa e da hierarquia pode ser ilustrada  por um fato marcante ocorrido na Idade Média, mais precisamente em 1313, com a destruição da Ordem do Templo por Felipe, o Belo, então Rei da França. Este monarca secularista, cuja cobiça e projetos políticos lhe custaram a excomunhão, ordenou o cerco ao palácio do Papa Bonifácio VII que, preso e brutalizado, morreu um mês após tal afronta. Felipe  força então a nomeação de um papa francês submisso, Clemente V, e, com este gesto, marca a ruptura do Ocidente com sua própria tradição, sendo o precursor do laicismo.

           A contestação da superioridade sacerdotal (atitude típica do Kchatryia  revoltado), em princípio, implica a negação do Princípio Único, ou Deus. Mas, respeitando a lógica, como é possível defender tal negação?

           Em resposta a esta questão, veremos a seguir o que constitui a doutrina hindu de castas e, na seqüência, um resumo do estudo “O Demiurgo” de  René Guénon, que trata  a questão capital da existência do Princípio Único.
Capítulo I   -   A ilusão democrática
Veja aqui como adquirir este livro.
E-mail
estudostradicionais@hotmail.com  luizpontual@hotmail.com